Derrotar Temer e o golpe, em defesa dos direitos!

Para além das Diretas Já, construir o  bloco popular

Antes de tudo, é preciso dizer que os acontecimentos dos últimos dias no Brasil são resultado da capacidade de luta da classe trabalhadora e do povo oprimido em geral. A força das mobilizações populares que vêm crescendo desde o segundo semestre do ano passado, dos dias de luta, das ocupações estudantis, da luta geral contra os projetos de regressão de direitos, atingiu níveis extraordinários nos primeiros meses deste ano de 2017.

Tivemos o maior 8 de março da história do Brasil e em 15 de março pelo menos um milhão de brasileiros e brasileiras foram às ruas protestar contra a destruição da previdência pública, das leis trabalhistas e contra a terceirização. Ali estava começando a virada. O governo golpista de Michel Temer passou a ter dificuldade para aprovar a pauta requerida pelo movimento golpista. A Greve Geral do dia 28 de abril, a maior pelo menos das últimas três décadas (talvez a maior da história), com apoio da maioria da população, estabeleceu uma linha de corte. Temer não tinha mais força para cumprir o papel a que se propusera em novembro de 2015: acabar com os direitos conquistados historicamente pela classe trabalhadora e entregar todas as riquezas do país para os monopólios imperialistas.

Leia mais...

Derrotar a regressão social e o governo golpista! Avançar na organização da soberania popular

A força da Greve Geral do dia 28 de abril deste ano de 2017 confirma a tendência já percebida nas manifestações dos dias 8 e 15 de março: é crescente a capacidade de luta da classe trabalhadora e dos setores oprimidos no Brasil. A elevação do nível de consciência sobre a gravidade da proposta de contrarreforma da previdência, do projeto de contrarreforma trabalhista e dos projetos de terceirização estabelece a possibilidade concreta de lutas mais fortes, mais amplas e, ao mesmo tempo, mais radicalizadas. É preciso que as direções das organizações populares percebam isso e definam táticas de lutas que possam ampliar a participação popular e permitir que a luta se desenvolva em toda sua profundidade.

Leia mais...

Crise no Rio de Janeiro

Texto de análise do PCLCP-RJ

1- Em junho de 2016, através do decreto de calamidade pública, o governador em exercício Francisco Dornelles (PP) justificou a “grave crise econômica” (palavras do Governador), a "queda da arrecadação do ICMS, dos royalties do petróleo", "severas dificuldades na prestação de serviços essenciais" e a possibilidade de um "total colapso na segurança pública, na saúde, na educação, na mobilidade e na gestão ambiental".

Leia mais...

RESISTIR E REORGANIZAR AS FORÇAS POPULARES PARA AVANÇAR

Nota nacional do Polo Comunista Luiz Carlos Prestes

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que congela os gastos públicos com os serviços essências por 20 anos, tirará de milhões de brasileiras e brasileiros o acesso à educação, à saúde e à assistência social. Já a PEC 287, da contra reforma da previdência, está eliminando o direito à aposentadoria.

Leia mais...

Apoiar Freixo no 2o. Turno e construir a vitória contra o Golpe e o retrocesso

No primeiro turno, o Polo Comunista Luiz Carlos Prestes (PCLCP) apoiou militantes e aliados em diversas regiões do Brasil. No Rio de Janeiro, contribuímos para reeleger o vereador Leonel Brizola Neto e para levar Freixo ao segundo turno.

Leia mais...

.

.

.

Multimídia

You need Flash player 6+ and JavaScript enabled to view this video.
Watching: Entrevista com Luiz Carlos Prestes em 1985 na Tv Paraná
Playlist: 0 | 1 | 2