Resolução da Executiva Nacional Extraordinária da INTERSINDICAL Central da Classe Trabalhadora. Todos/as na luta no dia 15/04 – Dia Nacional de Paralisação, Mobilização e Greves!

No último dia 07/04, os deputados federais que representam os empresários e banqueiros aprovaram o PL 4330 dando um grande golpe nos direitos da classe trabalhadora. Esse é o projeto do desemprego, da precarização do trabalho, da destruição dos direitos e da fragmentação da classe. A votação sumária foi orquestrada pelos partidos da direita, com atuação destacada dos famigerados deputados Eduardo Cunha, Arthur Maia e Paulinho da Força e contou com a participação ativa da Força Sindical, da UGT e da CSB.

Leia mais...

A greve dos professores de Santa Catarina

Entrevista com Adalberto Tabalipa, do comando de greve. Ele fala sobre os motivos que levaram à greve e sobre a situação do professor em Santa Catarina.

Leia mais...

Resolução da Direção Nacional da INTERSINDICAL Central da Classe Trabalhadora

INTERSINDICAL Central da Classe Trabalhadora 

O grau de polarização social que o Brasil enfrenta desde o ano passado ganhou contornos graves após as opções do segundo governo Dilma com ataques a direitos sociais e trabalhistas, um ministério ainda mais conservador e comprometido com o capital financeiro, o agronegócio e a adoção de uma política econômica fortemente restritiva que deve levar à recessão e aumento do desemprego.

Leia mais...

O governo continua a retirar direitos dos trabalhadores

PCLCP – Doze anos atrás quando “a esperança venceu o medo”, ou seja, quando Lula e o PT chegou à presidência da República em 2003, com apoio dos movimentos populares e setores trabalhistas, havia sim a esperança de que os anos nefastos de Collor e FHC tivessem ficado para trás. Havia a esperança de mudança na política econômica ditada pelo FMI; havia esperança no fim da financeirização da economia; havia esperança no combate aos transgênicos; havia esperança na efetivação da reforma agrária, com democratização do acesso a terra; havia esperança no fim da privatização do Estado brasileiro; havia a esperança no fim da superexploração do trabalho. Mas, sobretudo, havia sim a esperança de que os direitos sociais estariam protegidos dos ataques de governos subservientes aos ditames do capital. Collor abriu o caminho da privatização do Estado, da desregulamentação e financeirização da economia. Sua política econômica provocou uma brutal reestruturação produtiva, levando à desindustrialização inúmeros setores e ao aumento do desemprego. Quem conseguiu permanecer no emprego vivenciou a intensificação dos ritmos da produção e aumento da jornada de trabalho, além de amargar o achatamento salarial.

Leia mais...

Moção de apoio aos trabalhadores terceirizados da empresa Serra do Sudeste alocados no Hospital Sanatório Partenon, Hemocentro e FEPPS

A terceirização é mais uma estratégia capitalista para aumentar o lucro dos empresários e quem paga a conta são sempre os trabalhadores. Com a terceirização, a exploração e a opressão no ambiente de trabalho parecem ainda mais degradantes: as violações passam por intensificação da exploração, salários miseráveis, redução de direitos trabalhistas, assédio moral e, na lógica da meritocracia, homens e mulheres esquecem a necessária organização coletiva a fim de se manter nos escassos empregos.

Leia mais...

.

.

.

Multimídia

You need Flash player 6+ and JavaScript enabled to view this video.
Watching: Convocatória II SENUP
Playlist: 0 | 1 | 2