Luta contra a terceirização une centrais e organizações em Porto Alegre

Imprensa PCLCP

A Intersindical - Central da Classe Trabalhadora, junto com as demais centrais sindicais do país, sindicatos e organizações, estiveram presentes na audiência pública da Comissão de Direitos Humanos do Senado Federal sobre a terceirização. O Projeto de Lei Complementar (PLC) 30.2015 está em tramitação no Senado após ser aprovado da Câmara de Deputados e amplia a terceirização nas empresas privadas. O evento ocorreu no auditório Dante Barone da Assembleia Legislativa do Estado do RS (ALERGS).

 

 

Trabalhadores, estudantes e militantes da Intersindical, CTB, CUT, NCST, UGT, CGTB, CSP Conlutas e Força Sindical lotaram o auditório para demonstrar seu repúdio ao projeto de lei e à terceirização que já está em curso no país, representando a precarização e retirada dos direitos mínimos dos trabalhadores. Integrantes do Polo Comunista Luiz Carlos Prestes (PCLCP) e Movimento Avançando Sindical (MAS) se somaram a audiência e as marchas de trabalhadores que, antes da audiência, se uniram e caminharam rumo à Assembleia Legislativa.

 

Audiência Pública

A audiência pública foi presidida pelo senador Paulo Paim, que é relator do projeto na Comissão de Direitos Humanos do Senado. Ele manifestou sua contrariedade ao projeto e informou que seu parecer na comissão será no sentido de rejeitar o PLC 30 na íntegra. Também afirmou que os demais senadores gaúchos, Ana Amélia Lemos e Lasier Martins, também estão comprometidos a votar contra o projeto.

O presidente da ALERGS, deputado estadual Edson Brum, entregou documento ao senador no qual 43 dos 55 deputados estaduais se colocam contra o projeto. Eles pedem aos parlamentares federais que votem contra a terceirização.

Com exceção dos representantes de entidades patronais presentes à audiência, todas as falas reforçaram o atraso e a extrema exploração da classe trabalhadora que é representada pela terceirização. Falando pela Intersindical, Bernadete Menezes lembrou que a classe trabalhadora lutou por mais de um século para conquistar os direitos agora ameaçados pela terceirização. Reafirmou a disposição da Intersindical em se unir às lutas em defesa da dos trabalhadores, lembrando que a união da classe é considerada estratégica pela central.

Hoje, são 13 milhões de trabalhadores terceirizados ou 17% da força de trabalho no Brasil. Apesar disso, 30% dos processos na Justiça do Trabalho são desses trabalhadores. As empresa terceirizadas são as campeãs de inadimplência e de dispensa de trabalhadoras grávidas. Ainda, 90% dos resgatados em meio urbano por estarem em condições de trabalho escravo são terceirizados. O PLC 30, se aprovado, deve agravar essa situação. No México, onde as leis trabalhistas foram alteradas e possibilitaram a ampliação da terceirização, o número de trabalhadores nesse regime dobrou em apenas dois anos, passando de 8% para 16%.

Ao final das falas, os presentes aprovaram a Carta de Porto Alegre, em que reafirmam a sua posição contrária à terceirização e em defesa aos direitos conquistados pelas classes trabalhadoras mediante lutas históricas. O Rio Grande do Sul é o quarto estado a receber a audiência pública do Senado, que deverá percorrer todos os 26 estados brasileiros, mais o Distrito Federal.

.

.

.

Multimídia

You need Flash player 6+ and JavaScript enabled to view this video.
Watching: Entrevista com Luiz Carlos Prestes em 1985 na Tv Paraná
Playlist: 0 | 1 | 2