Prestes

 

LUIZ CARLOS PRESTES PATRIOTA, REVOLUCIONÁRIO, COMUNISTA

        Luiz Carlos Prestes foi um dos maiores heróis brasileiros, tendo como marcas de sua vida a coerência, a honestidade e a fidelidade a princípios e valores morais. No fim de sua vida, já após o rompimento com o PCB, costumava dizer a seus camaradas: “o que nos une são a identidade ideológica e os compromissos morais”. Desapegado a cargos e a bens materiais, levou sempre uma vida modesta, completamente voltada a seus ideais. Foi assim quando iniciou aquela que ele mesmo chamava de Marcha Invicta, e que a História popularizou como a “Coluna Prestes”. Foi também assim quando recusou de Getúlio Vargas o oferecimento para participar do movimento de 30. Na época, os tenentes haviam escolhido Prestes “chefe militar da revolução”, e Getúlio contava com ele para chegar ao poder. Na ocasião Prestes recusou o cargo argumentando que de nada adiantaria tomar o poder se não fosse para instalar um outro regime político e econômico-social. Prestes havia conhecido a fome e a miséria do povo Brasileiro nas suas andanças com a Coluna e já não se conformava com a simples mudança dos donos do poder. Após ouvir os argumentos de Prestes disse a ele Getúlio Vargas: “... o senhor tem a eloqüência da convicção”. Eloqüência essa que o acompanharia durante toda sua vida, pois já aí Prestes tinha tido contato com a ideologia comunista, a ciência do marxismo. E quem adquire essa convicção tem consciência da necessidade da mudança social, para a sobrevivência mesmo da Humanidade. Mas talvez o maior gesto de Prestes tenha sido, aos 82 anos de vida e após 37 anos como secretário-geral do PCB, não hesitar em romper com seu Comitê Central, realizando uma dura e profunda auto-crítica pública, assumindo suas responsabilidades nos erros do PCB e propondo uma nova elaboração estratégica para a Revolução Brasileira.

       Luiz Carlos Prestes nasceu em Porto Alegre, na casa de seus pais à Rua Riachuelo, no dia 3 de janeiro de 1898. Filho de Antônio Pereira Prestes, também militar e ativo republicano na sua juventude, e de Leocádia Felizardo Prestes, uma mulher avançada e culta. Numa época em que as mulheres não trabalhavam, Leocádia foi ser professora de uma escola pública. O próprio Prestes admitia que sua mãe teve grande influência na sua formação. “Coragem e grande dignidade humana seriam traços marcantes da personalidade de Leocádia Prestes” (Anita Prestes, 2006). Desde criança Prestes já demonstrava retidão de caráter, coragem e liderança. Melhor aluno de sua época no Colégio Militar do Rio de Janeiro, para onde se mudaram em 1904, e na Escola Militar do Realengo, formou-se engenheiro em 1920, aos 22 anos. Dois anos depois já era capitão do exército. Entretanto, sua carreira militar durou pouco, apenas até 1924. “Participa ativamente da preparação do levante de 5/7/1922 no Rio de Janeiro, do qual não chega a tomar parte diretamente por se encontrar enfermo com tifo. Após o fracasso do movimento, Prestes é punido com a transferência para o Rio Grande do Sul, onde deve inspecionar a construção de quartéis” (Anita Prestes, 2006). Mal sabiam eles que seria exatamente de lá, a partir do quartel de Santo Ângelo, que Prestes iniciaria a Marcha da Coluna Invicta...

Prestes Patriota: Coluna Prestes, exemplo aos revolucionários do século XX

mapa

        Luiz Carlos Prestes se vincula ao Movimento Tenentista por seu patriotismo. Não aceitava os desmandos da oligarquia e do presidente Arthur Bernardes. Lutavam por eleições “limpas”, por moralidade na política e o efetivo cumprimento da Constituição Republicana. Movido por esse patriotismo, se envolve nos levantes de quartéis que ocorrem no início da década de 20. Na madrugada de 28 para 29 de outubro de 1924, levanta-se o 1º Batalhão Ferroviário de Santo Ângelo, RS, sob o comando do capitão Luiz Carlos Prestes e do tenente Mario Portela Fagundes. Começa aí a Coluna Prestes. No mês de novembro de 1924 várias rebeliões são sufocadas no Rio Grande do Sul, e muitos oficiais tenentistas abandonam a “revolução” no primeiro revês. Os remanescentes, cerca de 1,5 mil homens, entre soldados e civis, armados precariamente e quase desprovidos de munição, comandados por Prestes, acampam em torno de São Luís Gonzaga. O Estado - Maior governista, em dezembro de 1924, organiza uma força de 14 mil homens para marchar sobre São Luís Gonzaga com o objetivo de esmagar os rebeldes. Formaram o que chamaram de “anel de ferro”, com o qual pretendiam estrangular os rebeldes. Conforme explica Anita (2006): “O governo adotava a “guerra de posição” – a única tática que os militares brasileiros conheciam e que, de acordo com o modelo dos combates travados durante a I Guerra Mundial, consistia em ocupar posições, abrindo trincheiras e permanecendo na defensiva, à espera do inimigo. Ou, então, quando as posições inimigas estavam localizadas, definia-se o objetivo geográfico” para onde se devia marchar, com a meta de cercar o adversário”. “Prestes, assessorado por Portela, põe então em prática a “guerra de movimento” - uma espécie de luta de guerrilhas. O rompimento do cerco de S. Luis pelos rebeldes e a marcha vitoriosa da Coluna comandada por Prestes em direção ao norte, visando socorrer os companheiros de São Paulo, cercados pelas tropas do general Rondon, constituiu a primeira grande vitória da nova tática militar imaginada por Prestes”. Depois de várias batalhas e feitos heróicos, a Coluna Gaúcha junta-se à Coluna Paulista, liderada pelos comandantes General Isidoro Dias Lopes, Major Miguel Costa e Capitão Juarez Távora. O encontro acontece no Oeste do Paraná.

       A liderança de Prestes e o sucesso de suas ações não foram fruto do acaso. Além do gênio militar dele e de Portela, houve um longo e paciente trabalho de preparação de quadros. Quando no comando do 1º BF, durante quase 2 anos, introduziu um novo tipo de instrução militar e de relacionamento entre comandante e tropa. Prestes aboliu os castigos corporais, preocupou-se com a qualidade da alimentação de seus comandados, contratando cozinheiro e padeiro. Mais do que isso, organizou as atividades e o tempo dos seus subordinados de maneira que todos pudessem estudar, receber educação física e instrução militar, além de trabalharem na construção da linha férrea que ligaria Santo Ângelo a Giruá (RS). Prestes tornou-se professor e criou 3 escolas: uma para alfabetização e outras duas de primeiro e segundo graus. Cada soldado analfabeto foi entregue a um alfabetizado, que devia ensiná-lo a ler. Liquidou-se assim com o analfabetismo na companhia em três meses. Ao final, fizeram uma festa para entrega de diplomas e todos assinaram numa bandeira do Brasil, com dedicatória a Prestes. Disse Prestes: “Eu, estando conspirando, resolvi dar instrução aos soldados.” (Anita Prestes, 1990).

       A Coluna Prestes percorreu 25 mil quilômetros em 2 anos e 3 meses, através de 13 estados brasileiros. A “guerra de movimento” como chamavam a tática então utilizada para enfrentar um exército regular mais numeroso e muito melhor aparelhado e armado, foi depois estudada por muitos outros revolucionários, como Mao Tsé Tung e Che Guevara. Travando 53 batalhas sem nunca perder alguma, derrotando 18 generais, a Coluna se tornou conhecida e temida, admirada e idealizada no imaginário popular por seus feitos heróicos. Num deles, na localidade catarinense de Maria Preta, a Coluna passou pelo meio das tropas do exército durante a noite, deixando as tropas lutando entre si até o amanhecer. Por tudo isso a Coluna era também conhecida como a “Coluna Invicta”.

       Durante essa longa marcha Prestes pode conhecer melhor a realidade brasileira, especialmente dos agricultores pobres do Nordeste. Até o final de sua vida se compadecia e se emocionava ao falar de trabalhadores rurais pobres do Nordeste cultivando o solo duro da seca com facas, trabalhando de joelhos, pois não tinham implementos. Nessa longa jornada Prestes se deu conta de que já não bastava trocar Arthur Bernardes, eram necessárias mudanças mais profundas nas estruturas econômicas e sociais. Nasce o Prestes REVOLUCIONÁRIO.

Prestes Revolucionário

       Sem ser vencida, mas também sem perspectivas de vitória pela falta de adesão popular nas cidades, em 3 de fevereiro de 1927 a Coluna se interna na Bolívia, de onde muitos revolucionários tomam outros destinos. Através de Astrogildo Pereira, então secretário-geral do Partido Comunista no Brasil (PCB), Prestes tomou contato com a literatura marxista. Enquanto no exílio na Bolívia, e posteriormente na Argentina e no Uruguai, Prestes deu início ao estudo das obras de K. Marx, F. Engels e V. Lênin.

       Gozando de grande prestígio popular no Brasil, Prestes é chamado de o “Cavaleiro da Esperança”. Fortemente assediado por Vargas e outros para aderir ao Movimento da “Revolução de 30”, Prestes acaba rompendo com o movimento dos tenentes, lançando seu Manifesto de Maio (1930). O Prestes revolucionário tem agora consciência de que mudanças de fachada, de uma oligarquia por outra, não resolveria nenhum dos graves problemas do pais. O estudo do marxismo e a jovem revolução soviética são fontes de inspiração para uma nova visão de mundo, o COMUNISMO.

Prestes Comunista

       Desde o fim da Coluna, não demorou muito para que Prestes se desse conta de que os problemas brasileiros eram estruturais, e não se resolveriam com uma simples troca de governo. Era preciso um novo poder, um poder socialista.

       Conta Anita Prestes (2006): “Às vésperas do movimento armado de 1930, o Cavaleiro da Esperança tornava público seu famoso “Manifesto de Maio”... Luiz Carlos Prestes apresentava um programa de transformações revolucionárias de caráter democrático, antilatifundiário e antiimperialista... Era uma proposta inspirada diretamente nos documentos do Partido Comunista do Brasil (PCB) e da Internacional Comunista (IC), com as quais Prestes mantinha contato desde o início do seu exílio. O cavaleiro da esperança tornava-se comunista sem ter sido ainda aceito pelo PCB”. “Em 1931, Prestes, a convite da Internacional Comunista, parte com a mãe e as irmãs para a URSS, onde é contratado como engenheiro. Lá Prestes dedica-se ao estudo do marxismo, mantendo contato com a seção latino-americana da IC e com dirigentes dos partidos comunistas desse continente, buscando conhecer melhor a luta dos povos latino-americanos. só em agosto de 1934, ele é aceito no PCB”.

Movimento de 35

       Em 1935 Prestes regressa ao Brasil para se incorporar à luta da Aliança Nacional Libertadora (ANL) – uma ampla frente única, que se propunha a lutar contra o imperialismo, o latifúndio e a ameaça fascista. Em dezembro de 1934 Prestes, em Moscou, é apresentado a Olga Benário, então com 26 anos e destacada militante da Juventude Comunista, que faria sua segurança no regresso ao Brasil. Viajam com os codinomes Antônio e Maria Vilar, disfarçados como um casal de portugueses. Durante a viagem, de navio, Prestes e Olga se apaixonam. Olga foi o grande amor da vida Prestes, à qual se referia emocionado ainda aos 90 anos de vida.

       Prestes e Olga chegam ao Brasil em abril de 1935, desembarcando de um hidroavião em Florianópolis e indo de táxi até São Paulo. Antes mesmo de chegarem, em 30 de março, Prestes fora aclamado presidente de honra da ANL, num grande ato público no Rio de Janeiro. O lema da ANL – “Pão, Terra e Liberdade” – mobilizou grandes contingentes populares no país. Em menos de 3 meses e meio de vida legal, a ANL fundou 1,6 mil núcleos em todo o território nacional, atingindo só no Rio 50 mil inscritos.

       “Com o fracasso dos levantes de novembro de 1935, inicia-se um período de repressão intensa. Prestes é preso em 5 de março de 1936, juntamente com sua companheira, a comunista alemã Olga Benário Prestes. Graças a coragem de Olga, que o protegeu com seu próprio corpo, não conseguiram matá-lo no ato da prisão, conforme as ordens expedidas pelo então chefe da polícia, o capitão Filinto Muller”. (Anita Prestes, 2006)

       “É condenado a mais de 47 anos de prisão. Sua companheira é deportada para a Alemanha hitlerista no sétimo mês de gravidez. Após dar à luz, numa prisão nazista, a sua filha Anita Leocádia, Olga seria assassinada numa câmara de gás no campo de concentração de Benburg, em abril de 1942. Prestes permaneceria preso durante 9 anos, a maior parte do tempo no mais absoluto isolamento”. (Anita Prestes, 2006)

       “Em 1943, realiza-se na serra da Mantiqueira uma conferência que reorganiza o PCB e elege, pela primeira vez, Luiz Carlos Prestes seu secretário-geral, apesar de este ainda se encontrar preso.” (Anita Prestes, 2006) Prestes fica preso de 1936 a 1945, a maior parte do tempo incomunicável e em péssimas condições. Seu advogado, Sobral Pinto, utiliza a lei de proteção aos animais, promulgada pelo próprio Vargas em 1934, para defender Prestes – biologicamente um animal – dos maus tratos a que era submetido na prisão.

Senador Prestes

       Em 19 de abril de 1945 Prestes sai da prisão, anistiado, e com enorme prestígio popular. Integra-se na campanha de massas que levaria à legalização do PCB, conquistada nas ruas, mas também se empenha na luta pela “União Nacional”, compreendida pelo PCB como um processo que deveria contribuir para a efetiva democratização do país. Como conta Anita Prestes (2006), “Prestes participa da campanha, lançada pelo PCB, a favor da convocação de uma Assembléia Constituinte livremente eleita e democrática, que elaborasse uma nova Constituição em substituição à Constituição de 1937, de corte fascista, decretada pelo Estado Novo. Durante o ano de 1945, os comunistas lutaram intensamente contra o golpe de Estado de direita, afinal desfechado em 29/10/1945, com o apoio da embaixada estadunidense. Apesar do golpe de Estado e da onda repressiva desencadeada logo a seguir contra Prestes e os comunistas, as eleições tiveram de ser mantidas e a Assembléia Constituinte convocada.” Prestes foi o senador mais votado até então na história da República.

       Na Constituinte, Prestes e o PCB foram bastante ativos na defesa dos interesses do povo. Um dos temas principais nos discursos de Prestes era reforma agrária. Afirmava ele: “Sem uma redistribuição da propriedade latifundiária, ou em termos mais precisos, sem uma verdadeira reforma agrária, não é possível debelar grande parte dos males que nos afligem”. Prestes e o PCB suscitavam grande ódio da burguesia, dos latifundiários e do aparelho de Estado reacionário. Assim, em 07 de maio de 1947, o PCB era posto na ilegalidade pela Justiça Eleitoral. “Em janeiro de 1948, os parlamentares comunistas tinham seus mandatos cassados pelo Congresso Nacional”. (Anita Prestes, 2006).

       “Prestes era forçado a ingressar na clandestinidade, que, para ele, significaram mais de dez anos de isolamento quase total. A partir de 1953, passava a ser sua companheira Maria do Carmo Ribeiro, militante do PCB... Com ela viria a ter 7 filhos.” (Anita Prestes, 2006).

       No ano de 1950, Prestes assina o Manifesto do PCB, de 1º de agosto de 1950, onde se fazia um apelo irrealista à derrubada do governo, considerado de “traição nacional”, através da “luta armada pela libertação nacional”, para conquistar um “governo revolucionário”. Após 10 anos de clandestinidade e isolamento da realidade do país e do PCB, Prestes volta à vida legal com a revogação de sua prisão pela Justiça. Numa guinada o PCB aprova, no mesmo mês da revogação da prisão de Prestes e outros comunistas, a Declaração de Março de 1958, onde se assumia uma postura autocrítica em relação ao Manifesto de 1950. Na Declaração de 1958 é proposta a luta por um “governo nacionalista e democrático” através da participação dos comunistas no processo eleitoral.

       Em 1960 os comunistas realizam o 5º Congresso do Partido, em que são reafirmadas as principais teses presentes na “Declaração de Março” de 1958. Apesar dos equívocos da estratégia, os comunistas participam das lutas do movimento operário e democrático a favor das “reformas de base” e, em particular, da Reforma Agrária, alcançando importantes vitórias nos anos que se estendem até o golpe militar de abril de 1964.

O Golpe Militar

golpe

       “Apesar dos êxitos alcançados pelo movimento operário e democrático, no início dos anos de 1960, sua mobilização foi insuficiente para impedir o golpe militar de 1964. Prestes é o primeiro da lista de cassações dos direitos políticos decretada pelo Ato Institucional Nº 1, vendo-se obrigado novamente a viver na clandestinidade ...”

       “São anos difíceis, que se seguiram a uma séria derrota de todas as forças progressistas no Brasil. Prestes enfrenta não apenas as perseguições movidas pelo regime ditatorial, mas também graves problemas internos no PCB, quando vários dirigentes do partido e numerosos militantes abandonam as fileiras partidárias e aderem à luta armada contra a ditadura. Prestes, à frente do Comitê Central do PCB, defende a necessidade de formar uma frente única democrática contra o regime ditatorial, condenando o apelo ao caminho armado, proposta que, naquele período, não correspondia à real correlação de forças políticas existentes no país”.

       “A perseguição movida pela ditadura contra todas as forças de “esquerda” e democráticas seria cada vez maior. Em 1971, por decisão do Comitê Central do PCB, Prestes parte para o exílio.” (Anita Prestes, 2006)

       Prestes, com base em trabalhos produzidos por estudiosos da economia e da sociedade brasileira dos anos de 1970, compreendera que não havia mais lugar para a conquista de um capitalismo autônomo no país, conforme a linha estratégica do PCB, aprovada em seus 5º e 6º Congressos. Neste último Congresso, realizado em 1967, na clandestinidade, as divergências de Prestes com a maioria do Comitê Central haviam começado a se explicitar.

       Ao perceber que a maioria da direção do PCB não aceitava rever sua linha estratégica e, ao mesmo tempo, estava presa à defesa de interesses corporativos menores, enveredando pelo caminho da acomodação e do abandono da luta pelo socialismo no país, Prestes decide romper com o Comitê Central”.

       “A posterior descaracterização do PCB como partido revolucionário e sua conhecida desagregação no início dos anos de 1990 mostrariam que Prestes tinha razão ao combater as ilusões então existentes quanto às possibilidades de regeneração daquela direção do PCB”. (Anita Prestes, 2006)

A anistia e o regresso à pátria. Os últimos anos

       “Em outubro de 1979, com a conquista da anistia, Prestes, após 8 anos de exílio forçado, regressa à Pátria. No aeroporto internacional do Rio de Janeiro é recebido com grande entusiasmo por mais de 10 mil pessoas.”

       “Em março de 1980, o veterano combatente comunista torna pública sua “Carta aos Comunistas”, em que oficializa seu rompimento com a política “oportunista de direita” imposta pela direção do PCB, denunciando a postura, adotada pelo Comitê Central, de abandono da luta pelos objetivos revolucionários e socialistas que deveriam nortear o Partido Comunista. A partir de então, Prestes desenvolve intensa atividade de esclarecimento e propaganda de seus ideais revolucionários.” (Anita Prestes, 2006)

       Na sua “Carta aos Comunistas”, Prestes lança as bases de uma estratégia revolucionária que já seria socialista, ao propor uma Frente antiimperialista, antimonopolista e antilatifundiária. Após o rompimento com o Comitê Central do PCB, Prestes desenvolve intensa atividade política. Incansável, encontrou sempre tempo e energia para falar a jovens e a trabalhadores em todos os cantos do país. Emprestou seu nome e prestígio para eleger vários candidatos a cargos legislativos, mas nem todos retribuíram com dignidade revolucionária o apoio recebido.

       Nos anos 80 Prestes foi insistentemente assediado por grupos e personalidades de esquerda para que liderasse um novo partido revolucionário. Paciente, explicava que esse partido surgiria das lutas de nosso povo, dos quadros que daí se forjariam. Dizia também que a melhor contribuição que um comunista poderia dar para o surgimento desse partido era o estudo do marxismo, aliado à organização do povo e à luta de massas.

       Em 7 de março de 1990, o Camarada Luiz Carlos Prestes faleceu no Rio de Janeiro. Seu enterro foi acompanhado por uma expressiva multidão. Prestes, que segundo Romain Rolland “entrou vivo no Panteon da História”, agora entrava definitivamente para a História da Humanidade como um de seus mais destacados personagens. Deixou um legado de coerência, dedicação à causa, abnegação e humanidade. Ao formular a essência da estratégia revolucionaria, deixou também um legado de esperança:

"Eu sou otimista quanto ao futuro do socialismo no Brasil. Já temos uma classe operária numerosa, com um nível de consciência elevado. O que falta é organizá-la. Organizada, a classe operária será uma força invencível, que poderá levar o país ao socialismo. Não posso calcular um prazo que isto aconteça. Depende do surgimento de um partido revolucionário, que tenha uma concepção justa da revolução brasileira, com base na realidade nacional e não na abstração". 

(Luiz Carlos Prestes - Lutas e Autocríticas, 1982, p. 216)
Os 100 anos de LCP

       No ano de 1998 a Corrente Comunista Luiz Carlos Prestes realizou atividades em todo país referente aos 100 anos de LCP. Nessas atividades adotamos o mote, cunhado por Anita Prestes: patriota, revolucionário e comunista. Uma exposição fotográfica, montada pela Profa. Anita Leocádia Prestes percorreu várias cidades brasileiras. Destacam-se as atividades realizadas em Porto Alegre, com o lançamento da pedra fundamental do “Memorial Luiz Carlos Prestes” em terreno cedido pelo poder público municipal, no Rio de Janeiro com atividades na ABI e na UFRJ, em São Paulo com atividades em Universidades e no Nordeste com a exposição itinerante em várias cidades.

prestes

       Para saber mais da biografia de Luiz Carlos Prestes recomendamos o livro “Luiz Carlos Prestes – patriota, revolucionário, comunista”, de autoria da historiadora, professora, e filha de Prestes, Anita Leocádia Prestes. Cabe aqui lembrar que Anita foi militante do PCB junto com Prestes, participando inclusive de seu Comitê Central e rompendo junto com Prestes quando este escreve sua “Carta aos Comunistas” em março de 1980.

Detalhes do livro: Ano de publicação 2006.
ISBN: 85-7743-007-3. Número de páginas: 80.
Preço: R$ 3,00.
O livro pode ser comprado via internet no sítio: 
http://www.expressaopopular.com.br
Uma ótima síntese do livro de Anita, e outras informações sobre Luiz Carlos Prestes podem ser encontradas no sítio do Centro Luiz Carlos Prestes de Estudos Sociais: 
http://www.cenprelcp.com.br/biografia.htm
Sobre a Coluna Prestes: “A Coluna Prestes”, de autoria de Anita Leocádia Prestes, Ed. Paz e Terra, 1990.

 

.

.

.

Multimídia

You need Flash player 6+ and JavaScript enabled to view this video.
Watching: Entrevista com Luiz Carlos Prestes em 1985 na Tv Paraná
Playlist: 0 | 1 | 2